Nematoides são responsáveis por perdas de até 40% do algodoeiro

*Por Tânia Santos

Os nematoides são algumas das temidas pragas da agricultura. Responsáveis por perdas de até 50% da lavoura, os vermes sobrevivem no solo ou nas raízes das plantas e se alimentam das mesmas inibindo a translocação de água e nutrientes para os tecidos. De acordo com o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), os nematoides são considerados uma das pragas com maiores riscos fitossanitários nas principais culturas do Brasil.

Quando falamos especificamente sobre a praga na cultura do algodão, as perdas chegam a 40%. As principais espécies de nematoides encontradas na cultura são: o Meloidogyne incógnita, conhecido popularmente como nematoide das “galhas”, e com maior potencial de causar danos econômicos no algodoeiro; o Pratylenchus brachyurus, vulgarmente chamado de nematoide das “lesões radiculares”, que é muito encontrado no algodão, mas não causa tantos danos à planta; e, por fim, o Rotylenchus reniforme, o nematoide reniforme.

Os sintomas dos nematoides no algodoeiro dependem de cada uma das espécies da praga encontradas na planta. Quando afetada pelo Meloidogyne incógnita, a raiz apresenta sinais de superengrossamentos anormais e os sintomas podem ser verificados em reboleiras – frequentemente são confundidos com deficiência de minerais ou problemas físicos no solo. Já os nematoides Pratylenchus brachyurus apresentam sintomas característicos nas raízes, que ficam escurecidas devido à deterioração causada pelo parasitismo migratório. Essa espécie também libera toxinas que degeneram a parede celular, servindo como “porta de entrada” para outros patógenos. Os sintomas reflexos mostrados na parte aérea são redução de porte de plantas, sintomas parecidos com deficiências nutricionais e minerais. Por fim, o Rotylenchus reniforme apresenta raízes com aspecto sujo, com forte aderência de solos mesmo quando lavadas e redução no sistema radicular, além de ter plantas menores e em reboleiras maiores do que os apresentados por outra espécie. As folhas apresentam sintomas carijó em altas infestações.

Alguns fatores são determinantes para a proliferação dos nematoides, como a temperatura da região, a umidade do ar, o tipo de solo da plantação, a forma de manejo e o hospedeiro, que está diretamente ligado à eclosão e multiplicação dos nematoides. Em pesquisas realizadas pelo IMA (Instituto Matogrossense do Algodão) em 2016, foram avaliadas a produtividade de vários talhões em função da densidade populacional dos principais fitonematoides de algodão em áreas de produção do Estado comparando os valores de produtividade nos talhões com diferentes níveis de infestação das três principais espécies de nematoides do algodoeiro. Tal pesquisa verificou uma tendência de redução da produtividade com o aumento das densidades populacionais de M. incognita e R. reniformis, mas esse efeito não está muito claro para P. brachyurus. Inomoto & Asmus (2006) citam que, em áreas de produção da cultura severamente infestadas com o nematoide das galhas, Meloidogyne incognita, em que perdas da ordem de 50 a 100 arrobas por hectare são evidenciados.

*Tânia Santos é Mestre pela Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT/MT). Na Associação dos Produtores de Sementes do Mato Grosso (APROSMAT), é nematologista e gerente Técnica do Laboratório de Nematologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *